quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

As Catacumbas de Paris


Fatos histéricos

. A mais ou menos 30 metros abaixo do nível do solo e 20 metros abaixo da linha do metrô se encontram as catacumbas de Paris. Lá descansam os restos mortais de SEIS MILHÕES DE CORPOS, o equivalente à população da cidade do Rio de Janeiro ou, apenas para comparação, quase o mesmo número de judeus mortos em campos de concentração nazistas na Segunda Guerra. Tudo isso num só lugar. A visita começa numa pequena e simples entrada, que nada prepara para o que existe abaixo. Dentro, apenas um aviso envidraçado "Essa visita realmente não é recomendada para pessoas com problemas emocionais ou físicos. Aconselhamos a pessoas pertencentes a terceira idade que reconsiderem a visita às catacumbas". A experiência começa por uma escada em espiral muito estreita e que parece não ter fim (a subida, no fim da visita é muuuuito pior), mal iluminada e, após certa altura da descida, o ambiente fica muito úmido (não recomendo essa visita a pessoas que,tenham rinite, ARYELLE!FIQUE LONGE!)

O caminho continua por um labirinto. A cada virada, mais ossadas, a certa hora tem se a impressão de que os corredores e os ossos nunca acabarão. Em cada ala das catacumbas há placas explicativas, algumas escritas em latim outras em francês arcaico, algumas dessas placas esclarecem o que aconteceu a essas pessoas e de onde vieram as ossadas. Lápides lamentam por famílias inteiras mortas pela praga ou por padres assassinados. Outro fato que impressiona são as inscrições simpáticas que ficam no batente superior das portas que separam as duzias de salas, tais como: "A morte iguala tudo", "Se você já pensou em matar alguém, pense que essa pessoa pode ter o mesmo desejo para você", "À morte deixa-se tudo", "Aqui somos iguais, reis e plebeus", "Nós que aqui estamos, por vós esperamos", e o pior "Pense que você pode não chegar vivo ao fim desse dia". Muitos dos crânios têm marcas de tiro ou impacto de armas de lâmina. O tempo de visita é variável, dependendo exclusivamente dos estômagos dos exploradores.

Observações para os metaleiros de plantão: Não tentem levar nenhum souvenir das catacumbas, no final da visita há uma revista geral em bolsas e bolsos.(Eu vi os ossos roubados com o funcinario na saída)

Observações para pessoas normais: Levem uma lanterna.

Fatos históricos

As catacumbas foram construídas entre 1784 e 1785, com o intúito de servir de depósito definitivo para as ossadas que precisavam ser retiradas dos vários cemitérios franceses. Antes esses ossos antigos tinham que dar lugar aos novos cadáveres e eram enterrados em volta do cemitério, como restos e sem nenhum respeito, o que causava doenças e mau cheiro nas cidades. Durante a revolução francesa alguns dos mortos foram jogados diretamente nas catacumbas para que apodrecessem. Como não há insetos para acabar com a carne desses cadáveres, alguns deles ainda estão lá, meio mumificados pela mistura de água e minerais que gotejam do teto. E, de acordo com os empregados da catacumba, o lugar é assombrado, nenhum deles ficando lá depois das oito da noite.
Algumas fotinhas que tirei lá, foi dificil, pois lá nao pode usar flashs

6 comentários:

Thaiza Nacaxe disse...

Isso me deu medo.

A-N-A disse...

Ah mais quando eu for lá claro que quero conhecer....adoro essas coisas macabras, rs
Bjs

Fe disse...

Eu sou louca para ir, mas como eu sou um ser cheio das nóias e medos infundáveis, sempre quis manter distância.
Vou ver se no outono eu tomo coragem de ir (nem rola ir no verão).

Beijos e bom findi

Marcela de Vasconcellos disse...

Ui, que tudo.

Adoro esas coisinhas macabras.

Simone disse...

Danielle, dá os creditos para o tal de Cato que escreveu esse texto que vc usou( eu já tinha visto ele tambem), daqui um dia a policia baixa aí no seu blog,rs. Texto inteito nào pode copiar sem dar crédito nao.

taderbal disse...

Simone,da aí os creditos,pq eu nem lembro de onde tirei,eu postei isso no multiply eu ainda estava aí.Sou péssima pra dar creditos mesmo,vivo falando isso,mas nunca lembro